Experiência Lucky: João Paulo Sattamini


foto marcação joão paulo

Ideias não faltam quando se conduz uma empresa. Mas como transformá-las em resultados relevantes? O Business Coaching pode ser uma ótima ferramenta para isso. Quem atesta essa máxima é o empresário João Paulo Sattamini, 34 anos, fundador e CEO da BrasilBev – empresa que detém a marca de sucos e energéticos orgânicos Organique Energy, pioneira no país. Depois de conquistar seu MBA em Barcelona com 24 anos, Sattamini passou meses na Índia, quando teve a ideia de criar um energético natural com ingredientes 100% brasileiros.

O sucesso o levou a exportar para Japão, Chile, Inglaterra, Canadá e Estados Unidos (quando morou no Vale do Silício). Sempre atento ao crescimento profissional, o empresário buscou o processo de Business Coaching: com a consultoria do Mentor e Coach Alexandre P. Machado, a Organique cresceu 50% em 2016, levando a empresa a dobrar a equipe.

Veja aqui o que Sattamini tem a dizer sobre a Experiência Lucky:

1) Por que você procurou um serviço de Coaching?

Procurei pois tive o interesse de crescer pessoalmente e profissionalmente pois sou um empresário com uma causa e propósitos muito claros. Meu negócio e meu estilo de vida são focados na causa ambiental e sustentável. Quero levar o Brasil para o mundo entregando valor agregado e vida saudável.

2) Como foi a experiência na Lucky Co.? O que você achou do trabalho do Mentor e Coach Alexandre?

Foi excelente. O Alexandre é um cara diferenciado, com experiência de mercado financeiro e uma bagagem de vida muito interessante. Me ajudou a colocar as coisas em perspectiva, olhar o presente e o futuro com clareza e ainda contribuiu objetivamente em questões operacionais do dia a dia da empresa.

3) Você recomendaria os serviços da Lucky? Por quê?

Claro! Para quem quer crescer pessoalmente, profissionalmente ou desenvolver seu negócio  o Alexandre pode ajudar muito.

4) O que mudou do João Paulo de antes do Coaching para o João Paulo de agora?

Mudou que hoje tenho um projeto ambicioso e internacional, que envolve muitos stakeholders – as tais partes envolvidas. Como empresário, eu devo uma satisfação à sociedade, às entidades financeiras, preciso perpetuar a cultura da minha empresa junto aos meus colaboradores. Este é o processo que o Alexandre chama de “tirar as empresas jovens da garagem”, e a contribuição dele neste sentido tem sido enorme.  Também é  interessante que ele compartilha as derrotas que sofreu, o que é absolutamente incomum em executivos do seu porte. Normalmente, esses caras são semideuses que só ganham. Outro fator pós coaching foi que me tornei mais objetivo e eficiente no meu trabalho, com a Brasilbev crescendo 50% em 2016.

Comentários

comentários

Comentários